Hora do Recreio (A Palmatória – Episódio 6)

Le Parkour: uma forma de usar a cidade
junho 2, 2012
Promoção ICE WATCH Dia dos Namorados
junho 3, 2012

Hora do Recreio (A Palmatória – Episódio 6)

Alegria, alegria – o intervalo da sala de aula

Para muitas pessoas o bar não é apenas local de bebida, mas no bar Meu Bar o negócio é somente bebida mesmo.  E o . O que faz a graça deste bar é o , figura, figura, proprietário do estabelecimento. Contudo seu bar e os outros bares dessa quadra comercial fazem a alegria dos estudantes das universidades próximas. Uma alegria da “hora do recreio pessoal”. Pelo o que entendi das conversas com o , é na mesa de bar que os estudantes fazem suas lições, discussões, exercícios intelectuais, artísticos, ecumênicos e exotéricos… às vezes bizarros. Mas, vão aprendendo a viver…nada como um dia após o outro.

Ser jovem, estudante, frequentador de bar e com poucos recursos, o mais do mesmo é se enturmar. Sai mais barato e traz alguma diversão. A filosofia é amar todas as pessoas que  encontrar no caminho, como pregavam os Beatles, Mahatma Gandhi e Maria Betânia. Mas vamos devagar, um pouco de outros sentimentos no coração, às vezes, é necessário também, não sejamos tão amadores. É preciso se proteger para seguir a vida, mas de qualquer modo a vida segue.

O intervalo da sala de aula, no bar do , é onde um monte de pessoas se ajunta, se conhecem. Quantos beijos trocados, quantos abraços, é como se fosse uma felicidade, o paraíso na terra. Uns insistem, outros desistem, todos seguem em frente. Do outro lado é o vale da lua, o pôr do sol ou o cenário para algumas coisas acontecerem… quem é de Brasília sabe disso. E, quem foi, experimentou, e quem chegar, vai inventar outra vida, outra cidade…salve o !!!

Manifesto d’A palmatória

Em 2012, perto do fim dos tempos chega ao mundo A palmatória. Esta que, durante muito tempo, serviu para corrigir, chamar a atenção e colocar a pessoa no prumo, volta mais renovada do que nunca. Agora é a vez da palmatória corrigir as ideias e os ideais. Dar voz aos silêncios calados no constrangimento, na mão roxa, em sangue. Em tempos de capitalismo, ambientalismo, visionismo, religiosismo e outros invencionismos eis que é preciso uma reflexão: parem os cavalos para alguém descer.

Como criação coletiva e renovada A palmatória apresenta suas receitas de socialização e sociabilidade. De educação e pós-educação dos indivíduos e grupos sociais. Para tanto, como se diz no argumento científico, queremos os fatos, os gestos, as reflexões e fenômenos do cotidiano, o comum. Assim lança-se mão de um objeto simples e objetivo: a palmatória. Sua forma anatômica, flexível lhe permite alcançar com rapidez e eficiência seus objetivos.

O objetivo número 1 d’ A palmatória é “todo poder à crítica dos costumes” para tudo o que existe e o que virá!!!

texto: Gilberto Barral revisão: Maíra Zenun

 

 

 

 

Mônica Nóbrega
Mônica Nóbrega
Comunicadora, redatora, radialista, palestrante motivacional.

Comentários no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *